O Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina) alerta a categoria para ficar atenta contra as fake news, canto da sereia, neverland e outras terras do nunca. Também chama todos a manterem os pés no chão, pois quando se lida com o Congresso Nacional, os experientes parlamentares, muitas vezes para atender uma demanda social, acabam construindo textos que, na verdade, não oferecem nenhuma garantia à sociedade. Simplesmente, algumas palavras e vírgulas, nesses textos que acabam virando leis, deixam muito vago e subjetivo o que queremos.

No caso da criação da empresa Nav Brasil e, consequentemente, da migração de trabalhadores da Infraero além dos profissionais de navegação aérea, na opinião do Sindicato, é preciso garantir as vagas da Nav Brasil para todos os níveis de trabalhadores da Infraero. Assim como é preciso garantir que, dependendo do modelo de migração, possa ser atrelado o CNPJ da Infraero à existência da Nav Brasil.

O Sina vem discutindo, com todos os atores desse projeto, sobre a possibilidade de migração via cessão, inclusive para os empregados da navegação aérea. Dessa forma, a migração do passivo trabalhista desses profissionais para a Nav Brasil não ocorreria. Em contrapartida, a nova empresa de navegação aérea teria mais caixa para absorver os demais empregados, como PSAs, técnicos e profissionais especializados.

Mais uma vez alertamos a importância de não sermos limitados, quando tantos trabalhadores aguardam um norte para continuarem prestando um serviço reconhecido internacionalmente à aviação civil brasileira e mundial.

VEJA ABAIXO O VÍDEO com o comentário do diretor de Saúde do Sina, Nilson Leal, controlador de voo da Infraero, sobre o andamento da Medida Provisória (MP) 866/2018. Ele alerta a categoria para não cair no modismo nefasto e desleal das fake news.

Para o Sina, somos todos aeroportuários e qualquer movimento para salvar os nossos empregos e garantir nossos direitos coletivos terá que ser voltado para todos os postos de trabalho da Infraero, sem exclusividades, tampouco elitismo.

É bom lembrar que a primeira providência em um naufrágio é salvar o navio. E a Infraero precisa continuar viva. Vamos blindar o CNPJ da empresa e estaremos fazendo a justiça que a nossa Infraero necessita e merece, sem viajar na maionese.