Nesta terça-feira, 1.º de outubro, aconteceu a assembleia de recuperação judicial da concessionária Aeroportos Brasil Viracopos, em Campinas. Os credores decidiram pelo adiamento para 16 de dezembro a data da assembleia, deixando claro que o governo, através da ANAC e BNDES, pressiona pela relicitação. A reunião foi presidida pela empresa administradora Deloitte Brasil, com participação de representantes dos trabalhadores credores, ANAC, bancos e representantes de grupos investidores.

Para o representante do Sina, Alberto Carvalho, licitar de novo Viracopos não seria a melhor resposta para essa questão. “A relicitação não é um bom negócio para os trabalhadores, pelo tempo, pelo desgaste. Já se passou um ano e meio do processo de recuperação judicial sem uma solução. A relicitação levaria mais um tempo, com incertezas, em que apenas aumentaria a ansiedade dos nosso 2 mil trabalhadores. Nós buscaremos todos os meios de apoio, ouvir todos os envolvidos – inclusive há investidores interessados -, com o nosso posicionamento totalmente contrário à relicitação”, afirmou Alberto.

ABV – O consórcio, formado pela UTC Participações, Triunfo Participações e Egis, detém 51% do controle do terminal. A Infraero detém 49%. Os dois primeiros acabaram investigados na Operação Lava Jato e entraram em dificuldades financeiras. Atualmente, a dívida está em torno de R$ 3,2 bilhões.

Em setembro, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) determinou a inclusão de outro montante de multas no processo de recuperação judicial da concessionária, somando mais R$ 384 milhões. Com a decisão, os débitos da concessionária podem passar de R$ 5 bilhões, em valores corrigidos por juros e multas.

A ANAC também divulgou nota: Para a viabilização do acordo, ficam suspensas por 30 dias “todas as ações judiciais e processos administrativos existentes entre as partes (ANAC e recuperandas), bem como aqueles que envolvam seus interesses”, informa o documento assinado perante a juíza Bruna Marchese e Silva, da Comarca de Campinas. A assembleia de credores foi remarcada para 16 de dezembro deste ano. Antes disso, no final de outubro, nova sessão conciliatória será realizada “a fim de esclarecer e sanear eventuais pontos da relicitação que se mostrarem necessários, bem como confirmar se o andamento das negociações viabilizará a realização da próxima assembleia”, diz o acordo.