Chegou ao Sina a denúncia de trabalhadores da navegação aérea da Infraero que foram surpreendidos com uma escala de serviços onde consta 15 minutos para briefing ou intervalo extra jornada, ou seja, não computado esse período (15 minutos) como hora extra. O Sina orientou aos trabalhadores, juntamente com os seus delegados a levarem cópia dessas escalas ao Ministério Público do Trabalho (MPT) em todas as localidades que elas estão sendo direcionadas.

O presidente do Sina, Francisco Lemos, gravou um vídeo lembrando que essa fração de 15 minutos se encontra em análise do próprio MPT para dizer da sua legalidade ou não. Porém, a superintendência de navegação aérea da Infraero não se conteve em aguardar tal análise do ministério público e atropelou o andamento do processo.

Para Lemos, não resta outra saída, nesse momento, a não ser colocar a Infraero diante dos procuradores do trabalho em cada localidade para que a empresa fundamente e explique a tal prática de jornada com fração de trabalho gratuito ou não pago pelo patrão.