As categorias conquistaram reajuste salarial de 7%, 8,5% nos vales-alimentação/refeição e criação de comissões para debater lutas importantes

Dirigentes dos sindicatos dos aeroviários e aeronautas filiados à Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil da CUT (Fentac/CUT) assinaram, em 29 de janeiro, a Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015 com o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (SNEA). A assinatura aconteceu na sede da entidade patronal, em São Paulo.

As categorias aprovaram em assembleias, realizadas em 27 de janeiro, a proposta de acordo mediada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). Os trabalhadores na aviação civil conquistaram reajuste salarial de 7%, retroativo à data-base das categorias (1º de dezembro), respeitando o teto de R$ 10 mil para aeroviários; 8,5% de reajuste no vale-alimentação (aeronautas e aeroviários), vale-refeição de aeroviários e nas diárias de aeronautas, além de um reajuste no teto do vale-alimentação (para ambas categorias) no valor de R$ 4 mil – esses reajustes entrarão em vigor a partir de 1º de fevereiro.

Em relação à reivindicação dos aeronautas, que solicitam a implementação da legislação internacional relativa a repousos e descansos, e dos aeroviários que buscam a criação de piso de check-in, o acordo do TST prevê um prazo de 90 dias (até 1ª de junho) para que as aéreas e os trabalhadores instituam comissões de estudos para discutir e apresentar à vice-presidência termos aditivos ao acordo.

No acordo, as empresas aéreas se comprometem a não cobrar multa nem fazer nenhuma retaliação em curto, médio e longo prazo para quem participou da paralisação nacional, em 22 de janeiro, podendo compensar essas horas sem desconto no salário. (Com informações da Fentac/CUT)