Os aeroportuários que atuam em regime de escala no Aeroporto de Guarulhos confirmaram, em assembleia geral extraordinária realizada na última quarta-feira (12/9), a importância da manutenção da escala 4×1 e 4×2, praticada há anos no Aeroporto de Guarulhos (SP).

No mês passado, a GRU Airport encaminhou comunicado aos trabalhadores informando que a escala passaria para 6×2 a partir de setembro. O anúncio da mudança gerou enorme descontentamento junto à categoria.

O Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina) destaca que a alteração, além de impossibilitar um convívio familiar e social, prejudicando severamente os trabalhadores, daria à GRU dez dias a mais de trabalho de cada um desses funcionários, por ano, sem acréscimo da remuneração. “Essa situação se assemelharia a um trabalho escravo”, destaca o presidente do Sina, Francisco Lemos.

Em 24 de agosto, em assembleia realizada com a categoria, os trabalhadores que atuam em escala rejeitaram por unanimidade a mudança. O Sina comunicou o resultado da assembleia à empresa e reivindicou fortemente a manutenção da escala atual. Diante da reação de contrariedade massiva dos trabalhadores à mudança imposta pela GRU e da atuação do Sina, a empresa voltou atrás, no final de agosto, mantendo a escala 4×1 e 4×2, mas deixou incerto se não viria novamente, num futuro próximo, a impor a escala 6×2.

Na assembleia realizada nesta quarta (12), 119 trabalhadores ratificaram o desejo pela manutenção da escala atual, a fim de documentar essa posição e anexá-la à representação que o Sina já apresentou junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT), visando garantir a escala 4×1 e 4×2 em acordo formal, com vigência de dois anos, para tirar efetivamente esse fantasma da vida dos aeroportuários.

(Imagens: Divulgação/Sina)